Notícia

SEABISCUIT: TORNANDO O IMPOSSÍVEL EM REALIDADE

A história de Seabiscuit, um famoso cavalo de corrida norte americano, é fascinante e contém muitas lições para pessoas interessadas em crescimento ou aprimoramento pessoal. A história, ocorrida durante a grande depressão dos anos 1930 nos Estados Unidos, envolve também outras três pessoas: Charles Howard, empresário, Tom Smith, treinador de cavalos e Red Pollard, jóquei. A história de Seabiscuit e das pessoas á sua volta foi um símbolo de esperança para os norte americanos na pior década do século XX, inspirando a todos com ideais de superação, lealdade, confiança, entusiasmo e a determinação em tornar o que era considerado impossível em realidade.

 

Das muitas lições que podemos aprender, a que mais me impressiona é como eles não se abalaram com a opinião de terceiros sobre sua capacidade. Charles Howard era um bem sucedido empresário, que após perder o filho num acidente e ser abandonado pela esposa, disseram que logo estaria falido e acabado. Tom Smith era um “cowboy” de fazenda e disseram que era velho demais para o mercado das corridas de cavalos. Red Pollard era cego de um olho e alto demais para ser jóquei e disseram que era um fracassado patético. Seabiscuit era pequeno demais para um cavalo de corrida, manco e deselegante e disseram que poderia no máximo ser um cavalo para acompanhar outros em treinamentos, ou seja, era treinado para perder. Apesar de todas as previsões contrárias, Charles Howard é considerado o criador do marketing esportivo, de acordo com Laura Hillenbrand, autora do livro Seabiscuit, Uma Lenda Americana.

Em 1938, como resultado da constante promoção de Howard e das emocionantes corridas, Seabiscuit ganhou mais espaço nos jornais do que o presidente Franklin Roosevelt ou Adolf Hitler. Ele também licenciou vários produtos e brinquedos com a imagem do seu cavalo. Tom Smith se aposentou em 1955, tendo treinado 29 cavalos vencedores nas principais corridas do País e sendo eleito para o Hall da Fama do Museu Nacional de Corridas. Red Pollard venceu inúmeras corridas, sendo a principal delas o Handicap de Santa Anita em 1940, depois de ter ficado vários meses se recuperando de uma fratura na perna e os médicos afirmarem que não poderia mais cavalgar em corridas, se quisesse continuar andando. Também se aposentou em 1955. Seabiscuit se tornou o cavalo mais premiado da década de 1930 e dentre as várias vitórias, a mais célebre foi contra o cavalo vencedor da tríplice coroa de 1937 e considerado o rei dos puro sangues, War Admiral, em novembro de 1938, num duelo apenas entre os dois e considerada uma das maiores corridas de todos os tempos. Três homens e um cavalo que não aceitaram ser subestimados e nem definidos pelos outros.

O que dizem a seu respeito não define quem você é, nem o seu valor e sua capacidade. Somos maiores do que a definição de alguém sobre nós. A nossa atitude diante da vida não pode ser influenciada pela opinião de outras pessoas e não devemos entregar o controle do nosso futuro para ninguém. Acredite no seu potencial, lute, se atualize, se reinvente e continue em frente. “Nunca deixe que alguém te diga que não pode fazer algo. Se você tem um sonho, tem que protegê-lo. As pessoas que não podem fazer por si mesmas, dirão que você não consegue. Se quer alguma coisa, vá e lute por ela. Ponto final.” (Do filme Á procura da felicidade).

Dilson Kleinhans

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *